29.10.12

Investigando a dor no ciático e desenhando suas causas possíveis


Por volta do mês de setembro do ano passado, 2011, pela primeira vez tive uma crise de dor no nervo ciático, o nervo comprido que passa por trás da coxa e da batata da perna começando na base do quadril e que vai até o calcanhar.  É uma dor terrível, que impede de caminhar e sentar direito, minha mulher Monica convive com uma hérnia de disco e tinha tido algo parecido muito tempo atrás mas eu nunca imaginei que poderia acontecer comigo até aquele dia.

Dizem que a medicina oriental acredita que quando a pessoa está mal, ela fica doente, por outro lado, a medicina ocidental acredita que quando a pessoa pega doença, ela fica mal. Parecido com o que a psiquiatria chama de sublimação. Desde que conheci esse pensamento comecei a considerar toda a doença uma consequência do modo de vida, rotina e estado psicológico do indivíduo e fico prestando atenção nos sintomas pra tentar descobrir a causa da doença para poder agir sobre ela e conseguir a cura. Mais ou menos assim: se você está com dor nas costas é porque não quer continuar carregar algo - responsabilidade, tarefa, etc - pesado ou em excesso, se está com torcicolo é porque não quer olhar para os lados, se recusando a ver ou prestar atenção às coisas ao redor, etc.

Desta forma, uma dor que impede vc levantar, caminhar, seguir em frente, poderia ser interpretada como algo ligado a interrupção da rotina, dificuldades para avançar, preocupação com algo presente no dia a dia, etc.  Como a consciência ou solução da causa comportamental não necessariamente interrompe de imediato os sintomas da dor e doença física e seu reflexo no organismo, segui investigando todas as variáveis que podem ter desembocado em uma crise tão aguda.

Eliminando outras possíveis causas

A dor começou no dia seguinte a uma noite que dormi em uma posição na cama que não costumava usar, de bruços, com uma das pernas dobradas. Por um instante pareceu confortável, fiquei encaixado nas cobertas e meio sem querer adormeci ficando um bom tempo nesta posição. Quando a dor apareceu de manhã, logo achei que a causa era isso.

A Monica tinha outro palpite, eram as torções de tronco e pulos no basquete, que eu praticava até 3 vezes por semana e que anos antes já provocara uma dor nas costas que aconteceu quando depois que entrei na quadra sem aquecimento e alongamento apropriado para alguem da minha idade (47 anos). Interrompi imediatamente a frequencia aos jogos no Sesc Consolação e substitui por treinos de natação, apenas os estilos crawl e costas, evitando é claro nadar os estilos borboleta e peito, que forçam a coluna e exigem movimento mais bruscos.


Como minha primeira suspeita era que a dor fosse decorrente da posição no sono, achei que passaria rápido, em alguns dias. Mas em vez de diminuir, a dor no ciático começou a aumentar. Em um esforço de memória, lembrei que dias antes, tinha tomado conhecimento da febre do passinho do funk, que mistura movimentos de frevo, incluindo agachamentos e posições acrobáticas com os pés, me empolguei e tentei reproduzir alguns passos daquela dança peculiar.

Depois da trágica experiência coreográfica e flagrante limitação física, nunca mais arrisquei nada parecido com a dança, se remotamente acontecesse uma recaída a saída seria modificar os movimentos cujo sucesso inicial foi atribuído a um artista chamado "menor da favela", adaptando para algo mais lento, quase estático, com menos amplitude e radicalismo, uma nova interpretação tipo o passinho do funk do "véio da favela".


Investigando outras possíveis causas, lembrei também que meses antes da dor aparecer tinha cismado de trocar meus calçados, deixando de lado os tênis na linha aventura da marca Timberland que costuma usar. Depois de assistir muitos filmes da máfia japonesa dos diretores Takeshi Kitano e Takashi Miike, cismei que ia começar a usar apenas tênis da marca Asics ou Mizuno. Comecei com um de solado baixo, muito mais fino do que estava acostumado a usar. Nem de longe parecia com meus antigos tênis, onde absorver impacto era a proposta e a razão de ser daqueles calçados supostamente feitos para andar sobre pedras de riachos, montanhas e trilhas íngremes.

Pra eliminar também esta hipótese, abandonei imediatamente o tênis de sola fina que estava usando mas pra não deixar de lado minha decisão estética de mudar o visual nos pés não voltei pro Timberland, resolvi começar a usar um tênis de corrida Mizuno. E pra não descartar meu novo tênis urbano da Asics (ou seria um sapatênis?), comprei palmilhas de gel extras pra ajudar no impacto.

Observando minha posição ao sentar, percebi que a dor iniciava e era mais intensa no local que ficaria o bolso direito traseiro da calça, onde guardava minha carteira e tudo que carregava dentro (cartões, moedas, chaves, etc). Para ajustar ao volume, vi que acabava torcendo a coluna, sentando meio em diagonal, e que essa postura esquisita poderia ser uma das causas que desencadeou a dor no nervo ciático.

Esse meu hábito de carregar e sentar sobre a carteira forrada de bugigangas era antigo, e com o tempo pode ter causado a má postura que sobrecarregou o nervo. Investigando melhor os itens, vi que pouco tempo antes da dor aparecer, eu tinha começado a carregar uma caneta do Google que ganhei de brinde, feito de plástico resistente, em formato de kibe ou torpedo. Na hora deixei de carregar esta caneta e troquei por uma menor e de características menos agressivas :-)

Passei a tirar a carteira do bolso antes de sentar para o trabalho ou para comer e prestar atenção para não entortar a coluna, do jeito que estava acostumando, uma acomodação perigosa do corpo ao volume extra do bolso sobre a cadeira.

Tratamento

Toda essa investigação para a descoberta destes possíveis culpados, foi feita paralelamente a idas mais frequentes ao quiropraxista Massahiro Takeshita, com suas massagens e shiatsu diretamente no local. Indicação da minha mulher, ele morou e estudou no Japão e já tinha aliviado as dores nas costas dela, que também faz natação para evitar novas crises. Antes da terapia intensiva, 1 ou até 2 vezes por semana, eu já fazia sessões mensais pra aliviar as tensões musculares decorrentes da postura repetitiva no trabalho ou causadas por viagens longas de avião.

O Massahiro também recomendou usar uma almofada na cadeira, pra amenizar a posição incorreta e curvada da base do quadril. Durante todo o tempo, apesar da dor, evitei tomar analgésicos ou medicação, preferindo priorizar a mudança de hábitos e posturas, eliminando cada possível causa daquela crise inédita no nervo ciático, com a qual convivi por cerca de 3 meses. Além de adotar a natação, conseguindo manter a atividade física sem forçar o corpo com impactos doloridos, também comecei a fazer sessões de alongamento e exercícios abdominais diariamente ao acordar. Depois de todo esse tempo neste tratamento intensivo a dor finalmente desapareceu por completo e minha nova rotina novamente incluia a normalidade em sentar, levantar, caminhar e jogar basquete.

Aproveitei o registro desta história com final feliz (por enquanto) pra ilustrar o post com desenhos que fiz no celular Android testando o app Peitureroid.


Posts relacionados:
- Pinte a unha de vermelho no Dia Mundial do Doador de Sangue
- Um time pra entrar pra história (recente) do basquete no Sesc Consolação
- "A morte é muito provavelmente a melhor invenção da vida." Steve Jobs (1955 - 2011)
- Aparecendo no comercial do Bola Social Soccer no Canal Fox
- Limpador de língua contra o mau hálito, invenção de uma dentista brasileira
- Idéia para o novo tablet da Apple : tampa de estojo escolar
- Comunidade de médicos no Orkut
- Desenhando no iPhone: Lollo
- Homem com mais de 40 era velho
- Tecnologia contra dengue
- Sr. Orkut no Brasil

9.8.12

Feliz Dia Mundial do Coworking - Coworking Day

Community

Hoje, dia 9 de agosto de 2012, fazem 5 anos que Brad Neuberg publicou o post Coworking - Community for Developers Who Work From Home (Coworking - Comunidade para desenvolvedores que trabalham em casa) em seu blog Coding in Paradise, criando o conceito do escritório e local de trabalho compartilhado para quem adotou o home office e o teletrabalho.

O blog Movebla publicou uma lista de escritórios colaborativos que irão celebrar a data oferecendo horas e o dia grátis para quem quiser utilizar e experimentar os locais: Coworking Day 2012: veja a lista de espaços com free day no dia 9 de agosto. Aproveitando o evento o Pto de Contato na Rua Augusta em São Paulo/SP vai funcionar na madrugada, até as 4 da manhã, no COrujão COworking. Outro espaço na cidade que vai estivar até a meia noite é o Link2You. Corujão é um nome legal que faz referência à Lan House, um modelo compartilhado antecessor do coworking e importante principalmente no Brasil.

Pra relembrar segue a tradução de trechos do post inaugurou o movimento:

(...) Você trabalha em casa? Você sente falta da comunidade e estrutura?
Junte-se ao Spiral Muse e Brad Neuberg na criação de uma nova forma de ambiente de trabalho para aqueles com espírito de liberdade!
Tradicionalmente, a sociedade nos obriga a escolher entre trabalhar como autônomo ou trabalhar em um escritório para alguma empresa. Se trabalhamos no tradicional trabalho corporativo das 9 às 5 (no Brasil das 9 às 6), nós temos a comunidade e a estrutura, mas perdemos a liberdade e a capacidade de controlar nossas vidas. Se trabalhamos em casa, nós ganhamos independência mas sofremos de solidão e maus hábitos por não estarmos rodeados de colegas e companheiros de trabalho.
Coworking é a solução para este problema. No coworking, escritores independentes, redatores, programadores e criativos podem se reunir em um ambiente comunitário alguns dias por semana. Coworking oferece o ambiente de um escritório tradicional, mas de um jeito único. (...)

Nestes 5 anos o conceito de coworking pegou, evoluiu hoje mistura trabalho remoto, independente, colaboração com sustentabilidade, inovação, empreendedorismo e logo logo pode deixar de ser restrito aos profissionais independentes e startups para conquistar espaço junto a todo tipo de empresa e seus funcionários.

Feliz Coworking Day!


Posts relacionados:
- Idéias para empresas usarem coworking
- Lista de coworking no Brasil
- Lista de sites de crowdfunding (financiamento colaborativo) no Brasil
- Coworking ganhando espaços
- Lista de sites de crowdsourcing e frilas em publicidade e design 
- Coworking em SP, teletrabalho e laje
- Estou na Plano Digital. Sede em Brasília, home office em SP
- Incubadoras e chocadeiras tecnológicas
- Wiki na laje
- Internet sem fio na praia

3.7.12

Enquanto isso no Orkut: Hiphone 5 a R$ 139,00

Semana passada, dia 26/6/2012, vi esse anúncio do site Todo Desconto na página de saída ou logout do Orkut: Hiphone 5, dual chip, wifi, TV, câmera, MP3/MP4 player, bluetooth e bateria extra por 12x de R$ 13,54 ou R$ 139 à vista. O anúncio avisa que o desconto é de 76% do preço normal deste aparelho, cópia não autorizada do iPhone da Apple que, segundo a Wikipedia em inglês, seria fabricado na China pela empresa CECT.

A oferta e o produto anunciado no Orkut, quase que materializa a percepção que as pessoas tem do estado das coisas, do público e de uma suposta decadência desta rede social que perdeu a liderança no Brasil em janeiro de 2012, como noticiou a revista Info: Facebook passa Orkut no Brasil, diz comScore. Pesquisando sobre o Hiphone a comunidade Hiphone Download com 6.632 membros se auto proclama a maior e única ativa no Orkut, e um blog Mundo Hiphone tem como lema acompanhar a evolução do aparelho e seus apps, conteúdo e games disponíveis.


Posts relacionados:
- Selos e comunidades patrocinadas no Orkut
- "A morte é muito provavelmente a melhor invenção da vida." Steve Jobs (1955 - 2011)
- Locais com mais checkins no Foursquare no Brasil e no mundo
- Fim do jogo Bola Social Soccer no Orkut, agora só no Facebook
- Videdressing Brasil, brechó online com marcas famosas
- O culpado pelo sucesso do Orkut no Brasil
- Professores defendem nova divisão de classes sociais para pesquisa de mercado
- Orkut para ricos, executivos, empresários
- Idéia para o novo tablet da Apple, tampa de estojo escolar
- Sr. Orkut no Brasil
- Modificações brasileiras de games
- Novas e velhas redes sociais

2.5.12

Máquina de passar roupas a vapor Agillisa, opiniões de quem usou

I hate ironing
Voltando a pesquisar sobre a alisadora e máquina de passar roupas a vapor Agillisa, invenção brasileira da ex-comissária de bordo Celia Jaber de Oliveira, que segundo resumo no Portal O Empreendedor havia vendido 120 unidades até maio de 2009, quando o site entrou no ar e a partir de então esperavam vender 50 unidades por mês.

Encontrei 2 relatos de pessoas que conheceram quem utilizou o invento, segue abaixo a reprodução de uma mensagem em um fórum em 2009:

PalmForum - Re: Não gosta de passar roupas ? Seus problemas acabaram !!!

4/4/2009 - Koalaman

Caí aqui nesse fórum por acaso... Mas eu não resisti ao impulso de fazer propaganda boca a boca.
Eu estava procurando na internet informações sobre a Agillisa, pois eu queria saber quanto custa...
É que eu tive aula com um professor da Escola Politécnica da USP, e ele foi um dos caras que testou o protótipo da Agillisa.
Ele disse que na época em que desenvolveram esse produto, a mulher que é a dona da idéia tentou vender o projeto para todas as empresas do setor de utilidades domésticas, mas ninguém quis comprar (só que uma dessas empresas foi sacana e pegou o projeto que estava patenteado no Brasil e patenteou no exterior, já que a patente da mulher que desenvolveu só valia no Brasil. E que outra empresa fez engenharia reversa e lançou produto similar no mercado. Infelizmente ele não nos disse o nome das empresas).
Ele disse que funciona mesmo! Que desamassa que é uma maravilha!! Qualquer tipo de tecido! Só não disse o preço!! Puxa!!! Agora que eu vi vocês dizendo que no ano passado essa máquina custava 2 mil e quinhentos, eu desanimei!!
Tá certo que eles não têm economia de escala... Mas 2 mil e quinhentos é muita coisa, hein? Não achei o preço dela em lugar nenhum, pelo google!! Só aqui nesse forum e na revista da FAPESP eu achei o preço estimado, antes do lançamento (era 3,5 mil reais!!).
Vou admitir!! Só me cadastrei no forum para fazer essa propaganda boca-a-boca, pois acho muito importante incentivar o empreendedorismo no país, e eu tirei o chapéu para essa idéia.
(...) Obs1: no site da Agillisa está escrito que ela gasta 50% menos energia mensal que o ferro de passar. (...)

Hoje a máquina está sendo vendida no site da empresa de R$ 3.199,00 a R$ 3.399,00. O relato abaixo foi publicado por uma usuária no Yahoo Respostas dois anos atrás:

Yahoo Respostas - Aquele aparelho de passar roupa no cabide, a vapor, é bom?

2010 - Marlua

Minha mãe comprou a Agillisa. Coloca camisas, camisetas e calças para alisar.
Só que tem uns segredinhos para dar certo. A roupa não pode ser muito centrifugada na máquina, pois amarrota muito. Então, assim que ela começa a centrifugar, pára, retira as camisas, coloca nos cabides especiais e os magnetos e vai para a Agillisa. A mesma coisa faz com as calças e camisetas.
Conclusão: Ela ficou livre de ter de passar 8 calças, 15 camisas e muitas camisetas.
O resto das roupas ela não passa porque tem secadora. Ela tira ainda quentinhas, dobra e guarda.

Não encontrei muita coisa mas a denúncia ouvida na USP pode dar uma idéia das dificuldades de inventar, desenvolver, fabricar e vender um produto novo no mercado de eletrônicos e utilidades domésticas no Brasil. Mesmo com todo o potencial do benefício de uma mudança de hábitos em relação ao obsoleto modo de passar roupas com ferro que resiste há séculos.

Quem conhecer mais alguém que comprou ou testou a alisadora de roupas a vapor da Agillisa e quiser compartilhar o link comentando aqui, seria legal. Quem já tem e puder deixar um relato ou testemunhal, fica a vontade. Se incluir fotos e videos, melhor ainda. Valeu!

Imagem: I hate ironing (Eu odeio passar roupas com ferro) no Flickr

Posts relacionados:
- Projeto de aparelho para passar roupas com vapor Free Form Iron
- Videdressing Brasil, brechó online com marcas famosas
- Videos com aparelhos de passar roupa a vapor Tobi e Jiffy steamer
- Limpador de língua contra o mau hálito, invenção de uma dentista brasileira
- Festival de Ideias, inovações para o desenvolvimento social 
- Passar roupas sem ferro e com vapor
- Aparelho para cortar sachê de ketchup e mostarda
- Máquina de passar roupas
- "A morte é muito provavelmente a melhor invenção da vida." Steve Jobs (1955 - 2011) 
- Máquina de fazer caipirinhas do inventor José Corrêa

20.4.12

Locais com mais checkins no Foursquare no Brasil e no mundo

Foursquare Official Venue

Em junho de 2011 o Foursquare, rede social mobile de compartilhamento de locais e endereços, atingiu 10 milhões de usuários cadastrados e divulgou um infográfico com as redes de lojas e empresas com mais checkins no mundo, entre elas 7-Eleven, Bank of America, Target, etc, e antes do fim de 2010 já tinha registrado 1 milhão de checkins apenas na cidade de São Paulo/SP.

Pelo que sei ainda não fizeram nenhum gráfico com estatísticas apenas de venues e locais no Brasil, em setembro de 2010 o Maurício Maia publicou em seu Tumblr - Foursquare visualizando a rede - seus experimentos com dados capturados naquela época para analisar e visualizar a rede que se forma da relação entre as pessoas e os locais que elas frequentam, desta forma ficou visível que os aeroportos eram os endereços brasileiros com mais checkins.

Seguindo este raciocínio, com a ajuda da lista dos aeroportos brasileiros criada pelo usuário Marcos F. (Superuser Level 2), seguem os prováveis locais com mais checkins no Brasil:

01 - Aeroporto de Congonhas, São Paulo/SP
249.062 checkins, 60.635 pessoas e 2.002 fotos

02 - Aeroporto de Cumbica, Guarulhos/SP
221.395 checkins, 73.175 pessoas e 2.397 fotos

03 - Aeroporto Santos Dumond, Rio de Janeiro/RJ
105.382 checkins, 33.134 pessoas e 1.394 fotos

04 - Aeroporto de Brasília, Brasília/DF
102.536 checkins, 29.161 pessoas e 1.379 fotos

05 - Aeroporto do Galeão, Rio de Janeiro/RJ
92.021 checkins, 36.274 pessoas e 1.265 fotos

06 - Aeroporto Tancredo Neves, Confins/MG
76.039 checkins, 21.771 pessoas e 965 fotos

07 - Aeroporto Afonso Pena, São José dos Pinhais/PR
71.404 checkins, 21.130 pessoas e 745 fotos

08 - Aeroporto Salgado Filho, Porto Alegre/PR
65.136 checkins, 19.595 pessoas e 733 fotos

09 - Aeroporto de Viracopos, Campinas/SP
44.820 checkins, 17.607 pessoas e 659 fotos

10 - Aeroporto de Salvador, Salvador/BA
40.213 checkins, 15.924 pessoas e 629 fotos
Para comparar com números do exterior, existe um infográfico de 2010 quando o Foursquare atingiu 6 milhões de usuários, publicado no blog Mobile Marketing Watch em 24/1/2011: Foursquare Hits 6M Users; Food Venues Most Popular Checkin, Campuses Least Popular (Foursquare atinge 6 milhões, locais de comida são os mais populares para checkins, campus de faculdade os menos populares). Na época, entre os locais  mais populares por categoria estavam: New York Penn Station, hoje com 424.643 checkins, 95.063 pessoas e 866 fotos (Transporte), Union Square Greenmarket, hoje com 43.615 checkins, 19.994 pessoas e 345 fotos (Comida), Ace Hotel NY, hoje com 31.421 checkins, 15.866 pessoas e 221 fotos, etc.

Ainda sobre Foursquare e aeroportos brasileiros, a Plankton Digital monitorou e publicou o Infográfico 4sq nos aeroportos em outubro de 2010. Caso alguem saiba de alguma venue brasileira mais popular e que não seja um aeroporto, fique a vontade de comentar aqui.


Posts relacionados:
- Foursquare recomenda encontros com amigas e amigos em lugarem em comum
- A produtora do video Pintinho Amarelinho, o 2º video brasileiro com mais exibições no YouTube
- Lista de promoções (specials) no Foursquare atualizada em tempo real
- Leonardo Marques do Twitter Passagens Aéreas
- Usando Foursquare com navegador Firefox: Foursquarefox
- Internet sem fio na praia
- Como usar Foursquare sem usar celular
- Lista de sites de crowdfunding (financiamento colaborativo) no Brasil
- Marcas e empresas usando Foursquare
- Lista de coworking no Brasil
- Avião feito em casa

4.4.12

A produtora do video Pintinho Amarelinho, o 2º video brasileiro com mais exibições no YouTube



Matéria publicada em 6/1/2012 no Jornal Valor - Sucesso na web, 'Galinha Pintadinha' levanta voo - fala dos responsáveis pelo video Pintinho Amarelinho, que hoje contabiliza 102.372.933 exibições no YouTube, no momento o segundo entre os videos mais vistos no YouTube no Brasil depois do clipe Ai se eu te Pego do Michel Teló.

O Canal Juptube, lançado em 2008, onde estão publicados os videos Pintinho Amarelinho e Galinha Pintadinha (55.243. 074 exibições) e o site GalinhaPintadinha.com.br são iniciativas da produtora Bromélia Filminhos de Campinas/SP. Segundo a reportagem, o início do empreendimento não foi fácil. Em busca de financiamento, os criadores Marcos Luporini e Juliano Prado postaram a animação no YouTube para demonstrar a potenciais investidores. Os videos tem uma fórmula simples: a partir de canções de domínio público, livres de direito autoral, os produtores criam fonogramas e clipes com animação e personagens.

O crédito de potenciais investidores acabou não saindo e o primeiro vídeo da Galinha Pintadinha ficou esquecido pelos seus autores por uns três meses. Quando se deram conta, a Galinha Pintadinha já era um sucesso na web. Sem esperar por financiadores, os sócios lançaram mão de recursos próprios, convidaram alguns artistas e lançaram o primeiro DVD, em 2008. No Jornal Valor os idealizadores não declaram cifras exatas mas afirmam que os personagens movimentam "milhões de reais" por mês.

Além da venda de DVDs, Blurays e livros para colorir, o canal do YouTube podemos assistir uma animação patrocinada pela Lifebuoy que termina com um comercial desta marca de sabonetes e produtos de higiene pessoal da Unilever: Lava a mão - DVD Galinha Pintadinha 3 (9.932.415 exibições até o momento). 


Em cartaz até o dia 1 de julho de 2012 no Teatro das Artes no Shopping Gavea no Rio de Janeiro/RJ o espetáculo Galinha Pintadinha O Musical estreou dia 7 de janeiro resultado da parceria entre a Bromélia Filminhos, Geo Eventos e Som Livre. Na divulgação do musical, que além do Rio tem temporada prevista para São Paulo, aparecem números como mais de 250 mil CDs e DVDs vendidos. Hoje, o Canal Juptube tem 103.156 assinantes e 423.919.066 exibições no total.

Abaixo segue copy paste da matéria publicada no Jornal Valor:
Sucesso na web, 'Galinha Pintadinha' levanta voo 
6/1/2012 - Por Ivone Santana | De São Paulo       

Ana Beatriz tem o controle total de sua sala de estar. Na grande tela da TV, uma galinha azul percorre o cenário ao som de uma cantiga de roda que quase todo mundo já ouviu na infância, seja em casa, na rua com os amigos, ou na escola. Aos cinco anos de idade, Bia, como é chamada, impõe sua vontade ao resto da família. Quando quer assistir ao clipe da Galinha Pintadinha ou do Pintinho Amarelinho, ninguém consegue contrariá-la. Sua mãe, Ana Zetoli, já aprendeu a respeitar o desejo da menina, que se repete várias vezes por dia, praticamente desde seu primeiro ano de vida.

A animação virou um fenômeno na internet brasileira. Dos seis vídeos mais vistos no YouTube no Brasil, quatro são desenhos animados da turma da Galinha. Eles estão no canal Juptube, com o Pintinho Amarelinho em primeiro lugar e a Galinha Pintadinha em segundo. Desde que começaram a ser lançados pela Bromélia Filminhos, em 2008, os vídeos do canal já foram vistos mais de 350 milhões de vezes, um número que não para de crescer. Diariamente, de 600 mil a 1 milhão de espectadores acessam os vídeos.

Como muitas ideias bem-sucedidas, a fórmula é simples: a partir de canções de domínio público, livres de direito autoral, os produtores criaram fonogramas e um clipe com animação da Galinha Pintadinha. O início dos negócios, porém, não foi fácil. Em busca de financiamento, os criadores Marcos Luporini, 41 anos, e Juliano Prado, 40, postaram a animação no YouTube para demonstrar a potenciais investidores. O crédito acabou não saindo e o vídeo ficou esquecido pelos seus autores por uns três meses. Quando a dupla se deu conta, a Galinha Pintadinha já era um sucesso na web. Sem esperar por financiadores, os sócios lançaram mão de recursos próprios, convidaram alguns artistas e lançaram o primeiro DVD, em 2008.

O garoto Luccas está entre os mais novos fãs da série. Como no conto do "Flautista de Hamelin", ele é facilmente atraído para a frente da TV quando ouve a música do DVD, com a diferença de que, desta vez, o final é feliz. Com apenas um ano e ainda sem muita firmeza nas pernas, Luccas dança, bate palma e balbucia a letra. Sua mãe, Elisângela Martins Severino, descobriu a programação no consultório do pediatra, quando o bebê tinha oito meses. Ao comentar que Luccas não lhe dava descanso, recebeu de outra mãe o conselho para procurar a Galinha Pintadinha. Agora, Luccas assiste ao desenho três vezes por dia, durante 40 minutos por vez, em média.

A divulgação boca a boca foi um dos meios para tornar a animação conhecida. Com uma lojinha on-line, a Bromélia vendeu 500 mil cópias dos dois primeiros DVDs e prepara, com o perdão do trocadilho, os novos voos da Galinha: o terceiro DVD este ano, o lançamento da versão em espanhol - já disponível no YouTube - para distribuição por um parceiro em países vizinhos, o lançamento dos vídeos em Portugal, e a estreia de um musical, amanhã, no Teatro das Artes, no Rio. A temporada vai durar seis meses. Depois, chegará a São Paulo, com exibição prevista por um período idêntico. Também está sendo realizado um show itinerante por todo o país, desde outubro.

O musical conta com 18 artistas no elenco e foi produzido em parceria com a Geo Eventos, controlada pelas Organizações Globo. A direção do espetáculo é da produtora Ciranda de Três, com roteiro de Luporini e Prado, da Bromélia. A Som Livre detém os direitos fonomecânicos. O show itinerante, por sua vez, foi produzido inteiramente pela Bromélia, com um elenco de dez artistas. Entre as músicas estão clássicos infantis como "O Sapo Não Lava o Pé", "O Pintinho Amarelinho" e "Borboletinha", entre outras.

A Bromélia também estreou no ramo de licenciamento de personagens. Luporini conta que já assinou contrato com a Redibra e negocia com fabricantes de brinquedos e calçados. A expectativa é fechar acordos com mais de cem fabricantes neste ano. Além disso, ele fez uma aliança com a Editora Melhoramentos para lançar a série Canção Ilustrada, com quatro livros sobre os principais personagens. A chegada às livrarias está prevista até julho. Em vez de DVD, os livros trarão partituras para que as crianças tenham contato com a criação musical.

O diretor comercial da Melhoramentos, Manildo Cavalcante, diz que fechou acordo com a rede de supermercados Extra para a venda de 100 mil livros de pintar e colorir, a partir de março. Segundo ele, também já foi acertado com a Fnac a entrega de um livro exclusivo de atividades, em julho, cuja venda será acompanhada de um brinde da animação. Cavalcante calcula que a licença da marca venderá 300 mil unidades neste ano. "Aposto muito no modelo que nasce na internet e vem para o meio físico", afirma o executivo. O modelo, diz ele, é o licenciamento da marca Club Penguin, da Walt Disney. Só no ano passado foram vendidos 700 mil livros da marca.

Nem os celulares escaparam. Luporini e Prado desenvolveram aplicativos pelos quais vendem os clipes para os usuários de telefones móveis. Com um fã da Galinha Pintadinha em casa - o filho Pedro, de um ano -, Luporini quer ter as canções ao alcance do bebê em qualquer lugar, para acalmá-lo. "Agora entendo o porquê do sucesso. O DVD não tem violência, malícia, nem valor consumista ", afirma o produtor. "Pegamos coisas da cultura brasileira e as tornamos economicamente viáveis, e a internet foi vital para isso."

Rejeitada por investidores em seu nascimento, a animação acabou virando a "galinha dos ovos de ouro" para seus idealizadores, e movimenta "milhões de reais" por mês, segundo eles. Os valores não são divulgados.
Na sede da Bromélia, em Campinas, no interior de São Paulo, o sucesso é tratado com discrição. São apenas dez funcionários para cuidar de tudo, embora a cadeia de negócios envolva mais gente, de desenhistas contratados a parceiros de licenciamento, diz Luporini. Apesar de estrela, a Galinha Pintadinha nunca assumiu ares de diva.


 Posts relacionados:
- Lista de sites de crowdfunding (financiamento colaborativo) no Brasil
- Meme faces em mensagens para festas de fim de ano no Eu Faço Acontecer
- Seeding foi vítima da maldição dos pôneis?
- TwitCarreiras Estácio EAD - 1ª ação de mkt no Tinychat no Brasil
- Produtoras de video ganhando dinheiro no YouTube
- Videocurriculum, Video Portfólios e Videos Motivacionais no YouTube 
- Roberto Justus fala sobre produtora
- Clipes na web, Música de Bolso e Tapa na Pantera
- Produtora de videos virais políticos na internet
- Videos e humor na internet
- Celebridades instantâneas da web
- Videos no celular que valem créditos

19.3.12

Videdressing Brasil, brechó online com marcas famosas



No ar desde o fim de agosto, o site Videdressing Brasil é a versão nacional do bem sucedido site francês de compra e venda de roupas usadas Videdressing.com, cujo nome foi baseado no termo "vide grenier" (esvaziar o sótão), um hábito parecido com o garage sale (venda na garagem) americano. Completando o nome, dressing é uma palavra inglesa usada na França para designar armários e guarda-roupas.

Já a algum tempo o hábito de trocar, comprar e vender roupas de marcas famosas vem se tornando uma opção prática e sustentável para as pessoas adquirirem grifes, roupas e acessórios de qualidade por um valor acessível. Sites como o Videdressing tb sinalizam a especialização do comércio C2C (cliente para cliente ou consumidor para consumidor), que hoje tem sites específicos para produtos artesanais como o Elo 7 no ar desde 2008, versão brasileira do Etsy que existe desde 2005. 

Além de permitir aos cadastrados a compra e a venda de roupas, acessórios e calçados, de centenas de marcas como Chanel, Daslu, Dior, Jimmy Choo, Giorgio Armani, Zoomp, etc, o Videdressing Brasil tem um programa de afiliados que remunera por indicações e cadastros gerados por outros clientes e uma rede de blogs parceiros, como Moda para Usar, My Fashion Life, Otimiza Design, Fashion Fun, Jujubalândia (da Juliana aqui da Plano tb), Dre Magalhaes Imagem e Stylist, Brechó da Cris, Brechó Q Chic, etc.

Aqui no Brasil quem comanda o empreendimento é a Catherine Henry do blog Toca da Cathy, que a muitos anos organiza o brechó de luxo itinerante Closet da Mel e agora no Videdressing tem como sócia a Luciana aqui da Plano Digital. Além do site, o Videdressing Brasil mantém o perfil @videdressingbr no Twitter e a fanpage no Facebook hoje com 442 fãs.


Posts relacionados:
- Pintando a unha de vermelho pra divulgar o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue
- C2C, de cliente para cliente
- Projeto de aparelho para passar roupa com vapor Free-Form Iron
- Ideia de encurtador de links para o Mercado Livre
- Máquina de passar roupas
- Fundador da Goóc
- Compra e venda de carros antigos e exclusivos pela web
- Fashion x Machion
- Carolina Terra do Mercado Livre
- Hospedando dados no Brasil

6.3.12

Lista de sites de crowdfunding (financiamento colaborativo) no Brasil

Já a algum tempo venho acompanhando o crescimento dos sites brasileiros de crowdfunding (financiamento das multidões), financiamento colaborativo ou vaquinha virtual reunindo dinheiro em torno de projetos, idéias, causas ou diversão. Nos EUA, o sucesso do Kickstarter é impressionante, por aqui o número de sites se tornou razoável e acho que vale a pena reunir em uma lista, que segue abaixo.



Pra quem quiser saber mais sobre o assunto, acima, a primeira parte do documentário Crowdfunding # Cultura e Coletividade produzido pela Agência de Conteúdo Recheio, dirigido por Pedro Galiza e anunciado no post De grão em grão em setembro de 2011, dica do blog do Tiago Doria no post de 27/9/2011: Documentário brasileiro sobre vaquinha virtual. Tem tb o Google Groups e o Tumblr Crowdfundingbr.com.br mantido por entusiastas deste modelo de financiamento coletivo.

Adote essa Ideia (set.2013 a 2014 - crowdfunding para projetos cristãos e evangelísticos)
adoteessaideia.com.br - Facebook (2 fãs) em 16/9/2013.

Apoio em Rede (ago.2013 a 2014 - crowdfunding e projetos colaborativos da Rede Sustentabilidade)
apoioemrede.com.br - @redecrowd (2 seguidores), Facebook (9 fãs) em 6/8/2013.

Arrekade (jan.2013 - vaquinhas online, financiamento coletivo e colaborativo)
arrekade.com.br - @Arrekade (5 seguidores), Facebook (288 fãs) em 25/11/2013.

Ativa Aí (mar. 2011 a jan.2014 - voltado a entretenimento, shows e eventos)
ativaai.com.br - @AtivaAi (524 seguidores), Facebook (7.874 fãs em 18/8/2014).

Benfeitoria (mar.2011 - realização coletiva de projetos, sem cobrança de comissão)
benfeitoria.com.br - @benfeitoria (311 seguidores), Facebook (1.484 fãs).

BePart (abr.2011 - portal de financiamento colaborativo, interrompido em dez.2012)
bepart.com.br - @PortalBePart (37 seguidores), Facebook (159 fãs) em 21/1/2013.

Bicharia (mai.2012 -  financiamento coletivo para ajudar iniciativas de animais carentes)
bicharia.com.br - @Bicharia_ (116 seguidores), Facebook (5.812 fãs) em 2/1/2013.

Broota (jul.2014 - democratizando o investimento em startups, equity crowdfunding)
www.broota.com.br - @BrootaBrasil (53 seguidores), Facebook (449 fãs) em 18/8/2013.

Camiset.as (fev.2014 - dez.2014, crowdfunding de estampas de camisetas, site fora do ar em dez. 2015)
www.camiset.as - @vendacamisetas (14 seguidores), Facebook (887 fãs) em 18/8/2013.

Catarse (jan.2011 - primeira plataforma de financiamento colaborativo de projetos criativos do Brasil)
catarse.me - @Catarse_ (4.730 seguidores), Facebook (9.826 fãs).

Causa Coletiva (mai.2013 - projetos socioambientais)
causacoletiva.com - @CausaColetivabr (2 seguidores), Facebook (134 fãs) em 13/5/2013.

Cineasta.cc (fev.2013 - projetos de cinema e audiovisual, apenas cadastro)
cineasta.cc - @cineasta_cc (156 seguidores), Facebook (1.633 fãs) em 8/2/2013.

Clique Incentivo (dez.2012 -  crowdfunding para cultura, o esporte e as ações sociais, ganhando descontos e benefícios no imposto de renda. Interrompido em 2014)
cliqueincentivo.com.br - @CliqueIncentivo (7 seguidores), Facebook (55 fãs) em 24/1/2013.

Clube FC (nov.2013 - mai.2014, Clube do Financiamento Coletivo, agregador de projetos em crowdfunding. Site fora do ar em dez. 2015)
clubefc.com.br - Facebook (91 fãs) em 25/11/2013.

Coleticidade (mar.2014 - Transformando a cidade juntos, crowdfunding e financiamento coletivo de projetos urbanísticos)
www.coleticidade.org - @coleticidade (48 seguidores), Facebook (706 fãs) em 11/12/2015.

Começa Aki (jul.2011 - meio ambiente, esportes, social, pessoal, etc.)
comecaki.com.br -@ComecAki (308 seguidores), Facebook (1.250 fãs).

Cultivo.cc (dez.2011 - 2014, projetos com incentivos da Lei Rouanet, Lei do Esporte, etc. Interrompido em 2014, site fora do ar em dez. 2015)
cultivo.cc - @cultivocc (14 seguidores), Facebook (1.268 fãs) em 18/8/2014.

Despindo (mar. a nov. 2012 - crowdfunding e compras coletivas para fotos de mulher pelada)
despindo.com.br - @despindo (5 seguidores), Facebook (1.669 fãs em 5/4/2012).

Embolacha (mai. 2011 - para músicos, artistas, público e fãs)
embolacha.com.br - @embolacha (342 seguidores), Facebook (370 fãs).

EmVista (jan.2013 -  crowdfunding para boas ideias e talentos. Interrompido em 2014)
emvista.me - @EmVistaMe (22 seguidores), Facebook (1.060 fãs) em 18/2/2013.

EqSeed (jul.2015 - investimentos em startups a partir de mil reais, equity crowdfunding)
www.eqseed.com - @eqseed (288 seguidores), Facebook (2.095 fãs) em 15/12/2015.

Eupatrocino (2011 -  plataforma de viabilização de projetos via crowdfunding)
eupatrocino.com.br - @eupatrocino (124 seguidores), Facebook (153 fãs) em 2/1/2013.

Eusocio (jun.2012 - crowdfunding para startups e empresas iniciantes)
eusocio.com - @eusocio (15 seguidores), Facebook (10 fãs) em 27/6/2012.

FreedomSponsors (jul.2012 - crowdfunding de projetos em software livre)
freedomsponsors.org - @freedomsponsors (76 seguidores), Facebook (106 fãs) em 20/8/2014.

Fundacity (jul.2014 - Startup ecosystem, equity crowdfunding e clube de investimento internacional, fundada no Chile com filial no Brasil)
www.fundacity.com - @fundacity (2.692 seguidores), Facebook (2.460 fãs) em 11/12/2015.

Garupa (set.2013 - crowdfunding para turismo sustentável)
www.garupa.juntos.com.vc - Facebook (1.110 fãs) em 9/9/2013.

Guigoo (ago.2013 - crowdfunding para projetos criativos, inovadores e ambiciosos)
guigoo.com.br - @guigoobrasil (3 seguidores), Facebook (100 fãs) em 12/8/2013.

Idea.me (set.2012 - crowdfunding latino americano, associou-se ao Movere no Brasil)
idea.me - @ideamecom (5.333 seguidores), Facebook (66.036 fãs) em 12/9/2012.

Impulso (jun.2012 - 2015, crowdfunding para microempreendedores, site fora do ar em dez. 2015)
impulso.org.br - @impulsione_ (433 seguidores), Facebook (4.052 fãs) em 31/10/2012.

Incentivador (nov.2010 a ago.2012 - projetos de cinema, livros, teatro, etc)
incentivador.com.br - @Incentivadorcom (224 seguidores), Facebook (557 fãs).

It's Art (2014 - 2015, crie sua rede de apoio a arte, site fora do ar em dez. 2015)
www.its.art.br

It's Noon Apoio Criativo (2013 - crowdfunding pré-pago com cliques valendo R$ 1,00, R$ 5,00 ou R$ 10,00)
itsnoon.net/apoio-criativo/ - @ItsNoonBr (1.415 seguidores), Facebook (57.947 fãs) em 12/8/2013.

It's Noon Viabiliza (jun.2012 - 2013 crowdfunding da plataforma de co-criação colaborativa, mudou o nome para It's Noon Apoio Criativo)
itsnoon.net/projetos/ - @ItsNoonBr (1.088 seguidores), Facebook (20.911 fãs) em 19/6/2012.

Juntos.com.vc (ago.2012 - financiamento colaborativo para organizações sem fins lucrativos, sem cobrança de comissão 0% de taxa, união dos sites GiveOn.org.br e Tzedaka.com.br)
www.juntos.com.vc - @juntoscomvc (12 seguidores), Facebook (1.724 fãs) em 31/10/2012.

Kickante (out.2013 - financiamento coletivo para cultura, causas sociais e empreendedorismo. Crowdfunding flex, leve o que arrecadar mesmo sem atingir a meta, pagando comissão maior)
kickante.com.br - @kickante (4.264 seguidores), Facebook (25.521 fãs) em 25/11/2013.

Kolmea.me (jun. 2013 - jul.2014, financiamento colaborativo com foco para projetos sustentáveis, abriu para cadastro em março de 2013)
kolmea.me - @Kolmea_oficial (6 seguidores), Facebook (2.218 fãs) em 28/5/2012.

Lets.bt (set. 2011 - 2013, apoio a projetos sociais, ambientais, educacionais, esportivos, culturais, etc. Site fora do ar em dez.2015)
lets.bt - @LETSNews (41 seguidores), Facebook (347 fãs) em 20/4/2012.

Make it Open (jun.2011 - jun.2012, crowdfunding para software open source, atualmente fora do ar)
makeitopen.com.br

Mediafoundmarket.com (ago. 2011 a out.2012 - financiamento coletivo e estímulo à comercialização de conteúdo audiovisual em escala mundial)
Mediafundmarket.com - @mediafundmarket (697 seguidores), Facebook (373 fãs em 28/12/2012).

Minimecenas (set.2011 a dez.2012 - mesada para artistas)
minimecenas.com.br - @minimecenas (85 seguidores), Facebook (147 fãs).

Mob Social (mar.2011 a nov.2012 - mobilizações para shows de música)
mobsocial.com.br - @mobsocial (1.553 seguidores), Facebook (1.134 fãs).

Mobilize (abr. 2012 - crowdfunding no Facebook)
facebook.com/mobilizecf/ (164 fãs em 20/4/2012).

Motiva.me (fev. a abr.2011, alegava ser a plataforma mais completa de crowdfunding no Brasil)
motiva.me - @motiva_me (260 seguidores), Facebook (157 fãs)

Movere.me (mar. 2011 a set.2012 - financiamento coletivo, associou-se ao Ideia.me em 12/9/2012)
movere.me - @movere_ (827 seguidores), Facebook (2.340 fãs).

Multidão (fev. a set.2011 - produção cultural colaborativa, uniu com Catarse)
multidao.art.br -@multidao_art (652 seguidores), Facebook (2.397 fãs).

Muito Nós (fev. 2012 - jul.2014, cultura e entretenimento colaborativo. Site fora do ar em dez. 2015)
muitonos.com.br - @Muitonos (35 seguidores), Facebook (1.618 fãs) em 7/3/2013.

My Own Player (jan. a nov. 2012 - financiamento coletivo de jogadores de futebol)
mopbr.com - @mopbr_ (1.841 seguidores), Facebook (4.018 fãs) em 1/6/2012.

Nake it (fev.2012 a jul.2012 - crowdfunding para fotos de mulher pelada)
nakeit.com - @nakeit (396 seguidores), Facebook (1.955 fãs) em 12/3/2012.

Nexmo (fev.2012 a set.2012 - financiamento para shows e eventos pré-selecionados)
nexmo.com.br - @nexmovement (45 seguidores), Facebook (197 fãs).

NosAcuda (jan. 2013 - 2015, projetos criativos com prioridade para recompensa emocional. Site e fanpage fora do ar em dez. 2015)
nosacuda.com.br - Facebook (183 fãs) em 18/7/2013.

O Pote (set.2012 - vitrine e crowdfunding para boas ideias)
opote.com.br - Facebook (10.604 fãs) em 30/4/2013.

O Sujeito (out.2013 - financiamento coletivo para jornalismo livre e independente em parceria com o Catarse)
osujeito.catarse.me - @osujeito_ (118 seguidores), Facebook (1.275 fãs) em 18/8/2013.

Partio (set.2011 -  revertendo imposto em cultura)
partio.com.br - @PartioBrasil (9 seguidores), Facebook (658 fãs) em 24/1/2013.

Podio Brasil (jan.2013 - nov.2013, financiamento coletivo para esportes, interrompido em novembro de 2013. Site fora do ar em dez. 2015.)
podiobrasil.com.br - @podiobrasil (80 seguidores), Facebook (1.111 fãs) em 12/8/2013.

Pontapés (mai.2013 - dez.2013, projetos de tecnologia e design. Site fora do ar em dez. 2015.)
pontapes.com - Facebook (41 fãs) em 13/5/2013.

Queremos (set.2010 - financiamento coletivo de shows internacionais de música)
queremos.com.br - @queremos (6.471 seguidores), Facebook (8.472 fãs).

Quero Incentivar (jul.2011 - projetos com leis de incentivo)
queroincentivar.com.br - @queroincentivar (29 seguidores), Facebook (428 fãs) em 1/6/2012.

Rache Aqui (2012 - vaquinha, pagamento de compras online com vários cartões)
www.racheaqui.com.br - @racheaqui (112 seguidores), Facebook (90.911 fãs) em 18/8/2013.

Recorrente (out.2014 - crowdfunding contínuo ou recorrente com contribuições mensais, parte do site Benfeitoria)
recorrente.benfeitoria.com

Rio+ (abr.2013 - crowdfunding para a cidade do Rio com apoio da Natura)
riomais.benfeitoria.com - @riomais_vc (17 seguidores), Facebook (11.418 fãs) em 12/8/2013.

Salve Sport (nov.2012 - financiamento coletivo e movimento para salvar ideias e incentivar o esporte)
salvesport.com - @SalveSport (12 seguidores), Facebook (2.497 fãs) em 25/11/2013.

Senso Incomum (jan.2011 a nov.2011, crowdfunding para causas inclusivas, juntou-se a Itsnoon.net)
sensoincomum.com.br - @senso_incomum_ (716 seguidores), Facebook (1.101 fãs)

Showzasso (jan. a dez.2011 - crowdfunding para produção de shows)
showzasso.com - @showzasso (260 seguidores), Facebook (26 fãs) em 21/1/2013.

Show Mambembe (abr.2011 - dez.2012, narrativa envolvendo artista, música e lugar. Site fora do ar em dez. 2015)
showmambembe.com.br - Facebook (1.353 fãs em 21/1/2013).

Sibite (set.2011 - projetos pré-selecionados por uma curadoria)
sibite.com.br - @sibitebrasil (901 seguidores), Facebook (4.411 fãs).

Socioteca (mai.2011 - Rede social para promover ideias e negócios no Brasil, equity crowdfunding)
www.socioteca.com - Facebook (1.639 fãs) em 11/12/2015.

Soul Social (mai.2012 - 2013, crowdfunding com cursos e serviços de apoio para ongs. Especializou-se em consultoria e cursos.)
soulsocial.com.br - @soulsocial (23 seguidores), Facebook (161 fãs) em 31/5/2012.

Startando (2012 - crowdfunding para boas ideias se tornarem projetos incríveis)
startando.com.br - Facebook (4.896 fãs) em 18/7/2013.

Torcemos.net (dez.2011 até out.2012 - crowdfunding de projetos de esportes)
torcemos.net - @torcemos (77 seguidores) em 17/4/2013.

Tragaseushow (out.2011 - crowdfunding para shows e projetos de música)
tragaseushow.com.br - @tragaseushow (1.649 seguidores), Facebook (7.849 fãs) em 28/5/2013.

Ulule
(maio.2011 - versão brasileira de site internacional)
br.ulule.com
- @ululebr (198 seguidores), Facebook (40.671 fãs) em 21/1/2013.

Unlock (nov.2014 - crowdfunding contínuo ou recorrente com contribuições mensais, parceria dos fundadores do Catarse e Nos.vc)
unlock.fundFacebook (569 membros) em 11/12/2015.

Vamos Agir (set.2011 mudou o nome para Lets.bt)
vamosagir.com

Vamos Trazer (set.2011 a abr.2012 - crowd demanding sem pagamento, demanda coletiva de eventos e artistas)
vamostrazer.com.br - @vamostrazer (813 seguidores), Facebook (2.130 fãs).

Vasco Dívida Zero (mai.2013 - crowdfunding de torcedores com pagamento descentralizado de dívida com a Receita Federal)
ww.vascodividazero.com.br - @VascoDividaZero (940 seguidores), Facebook (11.557 fãs) em 31/7/2013.

Vakinha (2009 - #sharegifting, vaquinhas online)
vakinha.com.br - @vakinha (5.405 seguidores), Facebook (33.994 fãs) em 21/1/2013.

Variável 5 (set.2012 - financiamento coletivo para projetos culturais em Belo Horizonte)
variavel5.com.br - @variavel5 (99 seguidores), Facebook (688 fãs) em 31/10/2012.

WePinch (jul.2014 - A rede social que gera startups e empregos, equity crowdfunding portuguesa com usuários no Brasil)
www.wepinch.com - @wepinchBrasil (49 seguidores), Facebook (1.233 fãs) em 11/12/2015.

When You Wish Brasil (nov.2012 - dez.2013, capitalismo independente ou "indie", plataforma flexivel e barata para arrecadar dinheiro online. Site e fanpage fora do ar em dez.2015)
whenyouwish.com.br - @whenyouwish (342 seguidores), Facebook (9.395 fãs) em 18/2/2013.

Zarpante (set.2011 - dez.2014, financiamento coletivo e criação colaborativa para os países de língua portuguesa. Site fora do ar em dez.2015)
zarpante.com - @ZarpanteLDA (376 seguidores), Facebook (2.699 fãs) em 4/2/2013.


Com tantas opções de sites de financiamento colaborativo, agora fica mais difícil arranjar desculpa para um projeto, ideia ou inovação criativa, divertida ou revolucionária não conseguir mais recursos para viabilizar. Revendo a lista, dá pra perceber que algumas iniciativas já descontinuaram ou se uniram a outras plataformas, talvez antecipando uma concentração ou predomínio de alguns sites conduzindo este novo mercado e formato de produção e desenvolvimento de conteúdo, produtos, eventos e entretenimento que pelo jeito veio pra ficar.

Update em 7/3/2013: Novo Tumblr com links de sites de crowdfunding no Brasil e no mundo - mapadocrowdfunding.tumblr.com


Posts relacionados:
- Lista de sites de crowdsourcing e frilas em publicidade e design
- Projeto de aparelho para passar roupa com vapor Free-form Iron
- Lista de coworking no Brasil
- Produtoras de video ganhando dinheiro no YouTube
- Limpador de língua contra o mau hálito, invenção de uma dentista brasileira
- Agência de publicidade do futuro 
- Coworking em SP, teletrabalho e laje
- Idéia para o novo tablet da Apple : tampa de estojo escolar 
- Palestra sobre marketing viral, redes sociais e empreendedorismo
- Incubadoras e chocadeiras tecnológicas

16.2.12

Professores defendem nova divisão de classes sociais para pesquisa de mercado


Reportagem publicada dia 7 no site do Jornal Valor Econômico (para assinantes) divulgou uma proposta nova de divisão de classes sócio-econômicas atualmente utilizadas nas pesquisas e análises do mercado. A idéia é substituir as classes A, B, C, D, E e F por classes de 1 a 8, onde a classe média seria representada pelas classes 3, 4 e 5, como mostram os gráficos acima.

Sei que em tempos de análise de tendências, perfis comportamentais e perfis digigráficos, avaliar o público consumidor e os clientes através de classes sociais, faixas etárias e demográficas já é prática ultrapassada para muitas marcas e empresas, geralmente as líderes e inovadoras. Mas vale a discussão, principalmente diante do fenômeno da nova classe média, ou os batalhadores brasileiros, como defende o sociólogo Jessé Souza, ou classe média mixa, como acredita o filósofo José Arthur Giannotti.

Veja abaixo copy e paste da matéria no Valor Online:

Proposta uma nova divisão de classes

7/2/2012 - Cynthia Malta

Os professores brasileiros Wagner Kamakura, da Duke University, nos Estados Unidos, e José Afonso Mazzon, da Universidade de São Paulo, estão propondo uma nova divisão sócio-econômica da população brasileira, com foco no consumo de produtos e serviços. O novo modelo, construído a partir dos dados do Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE), pode ser usado em pesquisas de mercado, especialmente as orientadas aos hábitos de compra da classe média.

Os professores, que trabalharam juntos no projeto ao longo de um ano e meio, dizem que a classificação utilizada pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (conhecida como Critério Brasil) não retrata adequadamente a importância que a classe média adquiriu nos últimos anos. E decidiram elaborar um novo modelo, com base nos dados da mais recente Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada pelo IBGE em 2009.

Mais de 104 mil domicílios entraram no modelo, que considera 36 critérios - desde o número de aparelhos de TV em cores, computadores pessoais e automóveis, até nível de educação e ocupação do chefe da casa, passando pelo número de empregados domésticos. Critérios como acesso a esgoto, água tratada e ruas pavimentadas também foram considerados.

A nova classificação tem como base a renda permanente e não a renda corrente. "Renda permanente é um conceito teórico, relacionado com a capacidade de a pessoa de gerar renda, e, portanto, não é observada diretamente," diz Kamakura A renda permanente pode ser medida por meio da posse de bens duráveis e do nível de educação, por exemplo. A renda corrente é o rendimento atual: o salário, as transferências de renda e os rendimentos financeiros.

"As grandes empresas foram pegas de surpresa pela nova classe média no Brasil", diz Kamakura, que ensina marketing global na escola de negócios Fuqua, da Duke, na Carolina do Norte. Por décadas, diz ele, as estratégias traçadas por brasileiras e multinacionais consideravam como público-alvo os consumidores de maior poder aquisitivo. "É a estratégia do 'em cima do morro'", afirma. O produto era pensado e vendido para a elite. A classe média acabava comprando, diz ele, porque aspirava ter as mesmas coisas que a classe alta.

A migração de 20,5 milhões de brasileiros, da base para o meio da pirâmide, foi um processo que ocorreu com maior vigor de 2003 a 2009, justamente o período analisado por Kamakura e Mazzon. A classe média ficou maior, na avaliação deles, porque a renda real e a oferta de crédito cresceram.

Nesse novo quadro, a classificação usada pelas empresas especializadas em elaborar pesquisas de mercado, conhecida por Critério Brasil, não retrata mais a realidade. Quando são comparadas as oito classes do novo modelo com as oito classes do Critério Brasil, observa Mazzon, o que se nota é uma distribuição mais assimétrica da população no modelo novo - com maior número de domicílios nas mãos da classe média.

A classificação do Critério Brasil mostra uma "curva assimétrica", diz Mazzon, mostrando maior número de lares nas mãos da classe D (ver arte nesta página). Os professores não são os únicos a pesquisas o assunto. Há consultorias do setor de consumo no Brasil estudando formas de atualizar a classificação de renda.

A classificação conhecida como Critério Brasil, diz Mazzon, "retrata melhor a camada mais rica da população." Esse método, segundo ele, ainda é uma boa ferramenta para medir o consumo de joias ou de serviços pessoais. O novo modelo, explica melhor o consumo da classe média, que, segundo o estudo, representa cerca de 56% dos lares (ou 51% da população) e responde por 33% dos gastos de consumo no país.

A classificação proposta por Kamakura e Mazzon será apresentada à Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa nos próximos dias. A ideia é oferecer, sem custo, o novo modelo a companhias que queiram fazer pesquisas no Brasil.

O estudo dos professores, que levou cerca de um ano e meio para ser elaborado, também será publicado no "International Journal of Research in Marketing" no início de 2013, numa edição especial sobre marketing nos países emergentes.
-

Lembro quando em 1996 assisti uma apresentação da antiga Ambev sobre a visão que a companhia tinha dos públicos que consumiam os produtos, nada de utilizar perfis socio-econômicos, faixas de idade, sexo ou localização. Infelizmente não posso revelar detalhes pois todos que assistiram apresentação tiveram que assinar um termo de confidencialidade, mas confesso que o retrato que eles viam e o conhecimento em relação aos clientes era impressionante. Como antes já tinha trabalhado para a Kaiser concorrendo no mesmo mercado, finalmente entendi a distância e eficiência na comunicação. Acredito que esse conhecimento tenha sido um dos principais motivos da objetividade e bons resultados que marcas como Brahma, Skol e Antarctica conquistaram desde então.


Posts relacionados:
- Comercial da época do preconceito contra homem com mais de 40 anos
Censo sem papel
- Pulseiras do sexo, lenda urbana ou tendência adolescente
- Agência de publicidade do futuro 
- Desmassificação, frase de Alfin Toffler
- Perfil do consumidor de tecnologia segundo o Ibope
- Plano de Nizan Guanaes com agências digitais 
- Free beer, cerveja open source e copyleft
- Tracking e monitoramento de citações nas redes sociais

2.2.12

Pintando a unha de vermelho pra divulgar o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue



Assim como fizemos no Dia Internacional do Doador de Sangue em 14 de junho, desta vez no dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue em 25 de novembro, além do lançamento do app Banco de Doadores no Facebook (5.538 usuários até o momento), repetimos a mobilização ‪para as pessoas pintarem a unha de vermelho para celebrar e chamar a atenção para a data.‬ Em Brasília, organizamos uma ação na rua registrada no video acima, publicado hoje no Canal do Ministério da Saúde no YouTube.

Além disso blogs de moda e esmaltes, que apoiaram o movimento mais uma vez, a apresentadora de TV Ana Maria Braga, tradicional militante das causas envolvendo a saúde da mulher, gostou da idéia e apareceu com as unhas vermelhas em seu programa e compartilhou uma foto e recado em sua fanpage, hoje com 639.697 fãs.


Além da divulgação via gerenciamento de comunidades e RP com blogs, influenciadores, profissionais de beleza e manicures, o movimento tb teve boa recepção em sites de empresas como Atmosfera Feminina, lojas e fabricantes de esmaltes. Além da fanpage do Ministério da Saúde no Facebook (25.121 fãs), também publicamos na fanpage da campanha Doe Sangue no Facebook, lançada um pouco antes do Dia Nacional do Doador de Sangue e hoje com 13.168 fãs, posts e imagens para compartilhar o acontecimento:



A Carol Rocha (do perfil @tchulimtchulim no Twitter) e seu movimento #vaidoa, foi muito lembrada por ocasião do Dia Nacional do Doador de Sangue, pois sua história com um acidente grave em agosto de 2011 acabou transformando-a em porta voz da causa nas redes sociais. Ainda no Twitter, através do perfil @minsaude (hoje com 105.357 seguidores), twits sobre o movimento da unha vermelha e do app dos Doadores de Sangue ajudaram a manter a hashtag #doesangue nos trending topics (assuntos mais comentados do momento) durante todo o dia. Abaixo alguns links para fotos da @fuinha_albina e @suaslindas que aderiram e pintaram a unha de vermelho:

Hoje é dia nacional da doação de sangue. Vamos nos juntar a c... on Twitpic

O projeto, criado pela Plano Digital para apoiar a campanha desenvolvida pela agência Borghiehr Lowe para o Ministério da Saúde, teve sob minha direção aqui na Plano, a Ana Cristina centralizando as ações de RP e gerenciamento de comunidades ao lado da equipe de midias sociais: Ricardo em Brasília, Juliana e Thais em São Paulo. Para quem gostou da idéia, fica aqui o convite para reservar os esmaltes e pintar as unhas de vermelho nas próximas datas. Doe sangue, faça parte dessa corrente!


Posts relacionados:
- App Banco de Doadores para a fanpage Doe Sangue do Ministério da Saúde no Facebook
- Meme faces em mensagens de fim de ano para Eu Faço Acontecer
- Pinte a unha de vermelho no Dia Mundial do Doador de Sangue
- Governo 2.0 na coluna Mundo.com do Caderno de Propaganda e Marketing
- TwitCarreiras Estácio EAD - 1ª ação de mkt no Tinychat no Brasil
- Origami Twit, Twitter versão papel na Campus Party
- A maior reunião de pessoas com roupão de banho do mundo
- Estou na Plano Digital. Sede em Brasília, home office em SP
- Limpador de língua contra o mau hálito, invenção de uma dentista brasileira
- Tecnologia contra dengue
- O webdesigner que mora no hospital
- Réquiem para Ana e Mia

26.1.12

Significado de nomes estranhos em agências de propaganda e empresas web



Meses atrás o Bluebus publicou um post sobre Os 40 nomes mais estranhos de agências de publicidade e de onde eles vieram indicando uma lista publicada na coluna AdFreak no site do jornal Adweek em 14/11/2011: 40 Strangest Agency Names, and Where They Came From. Entre as agências separei e traduzi algumas mais conhecidas e pitorescas:

Odopod - www.odopod.com
Sede em San Francisco, Estados Unidos.
A origem do nome faz referência à ilha Odo do filme japonês Godzilla e a idéia de um time compacto, ou pod (casulo em inglês).

The Barbarian Group (O Grupo Bárbaro) - www.barbariangroup.com
Escritórios em Nova York, Boston e San Francisco nos EUA.
Segundo declaração por email ao AdFreak de Benjamin Palmer, sócio-fundador, o nome surgiu de um brainstorm onde os sócios Keith Butters e Rick Webb soltaram a frase "os bárbaros são difíceis de defender". Na verdade os sócios estavam conversando sobre uma nova versão do jogo Civilization.

Droga 5 - www.droga5.com
Sede em Nova York nos EUA, com presença internacional.
Origem: a mãe do fundador David Droga bordava números nas cuecas dos filhos para diferenciar entre os diferentes irmãos.

Razorfish (Peixe Navalha) - www.razorfish.com
Sede em Nova York com presença internacional.
O co-fundador Jeffrey Dachis declarou que o nome foi escolhido de uma lista de 10 opções surgidas em um brainstorm, para a abertura da primeira conta bancária em meados dos anos 1990.

Naked (Nu, Pelado) - www.nakedcomms.com
Sede em Londres na Inglaterra com presença internacional.
Will Colin, sócio fundador, declarou a coluna AdFreak que acredita que as marcas do século 21 devem aparecer nuas ao consumidor, deixando de lado o uso da comunicação como um capa de imagem mas ao invés disso adotar uma transação aberta onde as pessoas são parceiros iguais com a marca.

Wikreate - www.wikreate.com
Sede em San Francisco nos EUA
Explicação descrita no site: Nossa agência é construída no modelo wiki, uma plataforma aberta baseada na colaboração com especialistas em suas áreas e parceiros unidos na empresa e gerenciamento de projetos.

Strawberry Frog (Sapo Morango) - www.strawberryfrog.com
Sede em Nova York com presença internacional, inclusive no Brasil.
Segundo declaração de Scott Goodson, fundador da agência, ao jornal Economic Times da India, o nome foi escolhido para ser a antítese aos dinossauros da Madisson Avenue. "Diferente dos dinossauros do passado, o sapo morango era incrivelmente eficiente. Ele podia te apagar caso você lambesse. Ele era vermelho com as pernas azuis, um radical vestindo jeans."
-
Em 2008, o blog TNW The Next Web sugeriu a lista de 15 dumbest names for web 2.0 startups (15 nomes mais idiotas para empresas de internet iniciantes), enumerando entre elas nomes como Diigo, Mzinga, Oooooc.com, ooVoo, etc. De qualquer forma, a criatividade é a matéria prima da agência de publicidade, é natural que esse critério possa tb ser adotada nos nomes das empresas do setor. Em tecnologia e internet, depois do sucesso da Apple, Yahoo!, Delicious, Google, Submarino, Flickr e Tumblr, nomes sonoros, surrealistas e de origem obscuras tb não espantam ninguém.

Se seguirmos o mesmo raciocínio das listas do AdFreak e TNW, no Brasil poderíamos até incluir nomes de agências e startups como Africa, Amanaiê, Chleba, Cubo.cc, Diabloa4, Fulano, Gruda em Mim que o Boi não te Lambe, iChimps, Rino, Tabuleiro da Baiana, etc. O motivo do video do seriado Feiticeira ilustrar este post é que me lembro de uma agência web brasileira batizada de McMann & Tate, agência de publicidade fictícia que o personagem protagonista trabalhava... será que daqui a algumas décadas vamos ver surgir várias Sterling & Cooper homenageando a agência da série Mad Man tb?


Posts relacionados:
- Nomes estranhos e esquisitos na TV e jornal
- Idéias para empresas usarem coworking
- Seeding foi vítima da maldição dos pôneis?
- Significado de nomes diferentes
- O sucesso do Melhor Emprego do Mundo
- Mad Men em DVD
- Dupla de criação com iPad
- Plano de Nizan Guanaes com agências digitais
- Agência de publicidade do futuro
- Wiki na laje 
- Incubadoras e chocadeiras tecnológicas
- Visitando a Garage
- Blogs e publicidade

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Boo-Box

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO